Alckmin diz que PSD vai “dizimar oposição” no país

Domingo 8, maio 2011

Num discurso com tom acima do usual, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) ligou a criação do PSD, do prefeito paulistano Gilberto Kassab, a uma ação para “dizimar a oposição” no país.Ele protestou contra o esvaziamento das siglas oposicionistas em convenção tucana ontem, em São Paulo.Minutos antes, o ex-governador José Serra, aliado de Kassab, disse que a saída de tucanos para a nova legenda é “normal” e que o PSD não será “inimigo” do PSDB.

Sem citar a sigla de Kassab, Alckmin culpou sua criação pelo enfraquecimento de PSDB, DEM e PPS, partidos que mais têm sofrido com a debandada de filiados.”Ainda querem nos responsabilizar pela crise na oposição. É inacreditável. [Há] uma ação para dizimar as oposições. Destruir o DEM, enfraquecer o PPS, enfraquecer o PSDB onde ele é mais forte, em São Paulo.”O governador atacou a suposta inconsistência ideológica do PSD -que Kassab já disse não ser de direita, de esquerda ou de centro.
“Partido é como religião. Não tem religião sem fé. Não tem partido sem idealismo.” As informações são da Folha tucana

Ele ainda ironizou a aproximação entre os ex-oposicionistas da nova sigla e o governo Dilma Rousseff.”Não é fácil fazer oposição num país onde a política é governista e se faz embaixo, sob o aparelho de Estado, como carrapato grudado na máquina pública.”Em entrevista, Serra afirmou, pouco antes, que a saída de seis vereadores do PSDB ligados a Kassab foi um “episódio localizado”.”Isso é normal na vida partidária. Às vezes, há desentendimentos com desenlaces indesejáveis. Mas não afeta o partido como um todo.”Sobre a nova sigla, disse: “O PSD não é inimigo do PSDB. Saíram para fazer seu partido, mas isso não significa que sejam contra o PSDB.”Questionado se teria aconselhado algum dos dissidentes, não quis responder.À plateia tucana Serra afirmou que o PSDB deve “honrar os votos” que ele recebeu na eleição presidencial e endurecer com Dilma.
“Muita gente [está] reclamando do partido no Brasil inteiro. Tem esse problema.”

IMPASSE
A divisão do partido fez naufragar a convenção que elegeria ontem a nova cúpula tucana em São Paulo.A votação foi adiada para quinta-feira por falta de acordo sobre o novo secretário-geral da sigla. Disputam o cargo o deputado federal Vaz de Lima, ligado a Serra, e César Gontijo, aliado do secretário José Aníbal (Energia).
Serra e Aníbal são cotados para disputar a prefeitura pelo PSDB em 2012.

Por




2 Comentários

  1. henrique de oliveira /

    Calma Gerardo o PSD é a mesma prcaria de pps , psdb e demos , não muds nada só a embalagem.

  2. João L. B. Penharvel /

    Será que tem dedo de Serra nessa criação do PSD? Ou é do Aécio Neves? De fato pare ser uma pedra no sapato de Alckmin. Esperar para ver.

Deixe seu comentário

*

Retrospectiva Governo Lula

Arquivos

Amigos & Amigos