Mulheres têm salários menores e são maioria dos desempregados

Quarta-feira 7, março 2012

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socio Econômicos (Dieese) e a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) divulgaram ontem a pesquisa anual sobre “Mulheres no Mercado de Trabalho”. Segundo dados divulgados pelos institutos de pesquisa, de maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades no mercado de trabalho, já que ainda representam mais da metade da população desempregada e, quando ocupadas, recebem menores rendimentos do que os homens.

O estudo é feito no mês de março devido às comemorações do Dia Internacional da Mulher e faz parte do Sistema da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), que utiliza dados de sete regiões metropolitanas.

A mulher registrou um rendimento médio por hora trabalhada inferior ao dos homens em todas as regiões pesquisadas. Segundo a economista do Dieese, Ana Maria Belavenuto, “a condição da mulher no mercado de trabalho sempre foi diferenciada, há estudos que mostram que mesmo a mulher tendo maior nível educacional, ocupa postos de menor remuneração [que os homens}”. Para ela, o principal motivo dessa diferença ainda é que, culturamente, as mulheres são discriminadas no mercado de trabalho. “É como se a mulher fosse considerada menor que o homem, o que não é verdade”, completa.

A professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Selma Felerico, concorda com a economista do Dieese no que diz respeito ao aspecto cultural como principal causador dessa diferenciação de salários.

Para Ana Belavenuto, se em uma situação ideal, com inflação zero, a remuneração das mulheres continuar crescendo em uma proporção maior do que a dos homens (sem alteração de salário masculino) as quantias se igualariam em cerca de dez anos.

Na Região Metropolitana de São Paulo em novembro do ano passado as mulheres ganharam por hora trabalhada R$ 7,32, enquanto os homens R$ 9,54 pelo mesmo período. O Distrito Federal registrou a maior diferença salarial, na mesma base de comparação, os homens ganharam R$ 13,23 enquanto as mulheres R$ 10,32. Já na região de Recife está a menor diferença, os homens ganharam R$ 5,66 e as mulheres R$ 4,72.

Punição

Também ontem, a Comissão de Direitos Humanos do Senado (CDH) aprovou, em votação terminativa, um projeto de lei do deputado Marçal Filho (PMDB-MS) que pune as empresas que pagarem salário menor para as mulheres contratadas para realizar a mesma atividade executada por homens. A proposta seguirá para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Por




Deixe seu comentário

*

Retrospectiva Governo Lula

Arquivos

Amigos & Amigos