A madame, sogra do Kaka e a imprensa…

Domingo 9, agosto 2015

Senhora militante Executiva que organiza protestos midiáticos já fez faxina na Petrobras, pintou a rua da embaixada da Venezuela, levou pedido de impeachment a Eduardo Cunha –mas diz que às vezes tem vontade de gritar: ‘Fica, Dilma’ Da colunista Monica Bergamo Rosangela Lyra colocou uma bandeira do Brasil de ponta-cabeça na ampla varanda de seu apartamento, no Itaim Bibi, em São Paulo. “E só vou virar quando o PT sair e o Brasil for resgatado.” Há algumas semanas, em uma passeata, ela clamava pela renúncia da presidente Dilma Rousseff. Nos momentos de maior entusiasmo, chegou a gritar num megafone: “1, 2, 3, Dilma no xadrez”. Mas os fatos no Brasil estão se desenvolvendo numa velocidade tão frenética que, alguns dias depois, Rosangela clamava no WhatsApp: “Eu tenho vontade de gritar: FICA DILMA!”. Isso ocorre, diz, quando “vejo grande parte do PT querer a saída dela”. Rosangela está no meio do turbilhão... Leia mais

Com roubo e tudo…

Domingo 9, agosto 2015

 ”Com roubo e tudo, vamos chegar lá.” A frase foi tuitada por Eduardo Cunha em 2012, quando o time para o qual ele torce venceu um clássico com um pênalti duvidoso. Nos últimos dias, internautas passaram a associá-la à atuação do deputado em outras partidas. Cunha é investigado na Lava Jato. Foi acusado de embolsar US$ 5 milhões de propina e de intimidar testemunhas do processo em Curitiba. Em vez de se defender, reforçou a tática de jogar no ataque. Na primeira semana após o recesso parlamentar, ampliou o desgaste do governo e começou a abrir caminho para o impeachment de Dilma Rousseff. Driblador habilidoso, o peemedebista atua em duas frentes simultâneas. Na primeira, turbina a chamada pauta-bomba, com projetos populistas que aumentam o gasto público. É um gol feito. Os deputados aprovam tudo de forma irresponsável, em busca de aplausos das galerias, e empurram a conta para o Planalto, imobilizado pela falta de dinheiro. Em outra frente, Cunha tirou... Leia mais

Os vencedores e seus aliados

Domingo 9, agosto 2015

  Cunha e Renan subjugaram parte dos rivais e inutilizaram o resto. São dois vencedores, apesar de si mesmos Eduardo Cunha e Renan Calheiros venceram. E venceram andando no fio da navalha. Ambos merecem o reconhecimento de que se impuseram às adversidades e aos adversários. Se amanhã caírem, não será uma negação de sua vitória atual. Nem será surpresa para eles. Eduardo Cunha entrou a semana sobrecarregado de perdas na sua tropa de deputados e danos pessoais. Atingido pela acusação na Lava Jato de extorquir US$ 5 milhões, consumiu as férias parlamentares ilegais esforçando-se para aparentar inteireza, mas o abatimento e certo desespero não se escondiam. Em 24 horas, seus comandados estavam todos, outra vez, de braços com ele. As vestais do PSDB na Câmara perderam os escrúpulos e se entregaram a Cunha. Que se viu de braço dado ainda com PDT e PTB, até então “governistas”. Condições ótimas, portanto, para acionar a pauta-bomba, como foi... Leia mais

Ediatorial da Folha: Desconcerto

Sexta-feira 7, agosto 2015

  Bastou um dia de sessão na Câmara dos Deputados para ficar evidente que o recesso parlamentar não arrefeceu o confronto entre Legislativo e Executivo. Pior, o conflito parece enveredar pela via arriscada do descontrole político e da chantagem desabrida. Nem mesmo as decisões concertadas entre líderes partidários se mostram capazes de pôr a Câmara nos trilhos do interesse nacional. Após intensas conversas, decidiu-se retirar da agenda o item da chamada pauta-bomba que equipararia vencimentos na Advocacia-Geral da União e na Polícia Federal aos vigentes no Judiciário. A trégua duraria três semanas, mas, em questão de horas, o plenário derrubou o acordo dos líderes. Há duas hipóteses para explicar a confusa reviravolta; nenhuma é animadora. A primeira: falta de controle dos próceres sobre as suas bancadas. A segunda: que outra liderança –mais forte, mais influente e mais avessa aos trâmites democráticos– esteja em ação. Todas as evidências apontam... Leia mais

FHC tem uma empresa de fachada?E a agropecuária dentro da cidade?

Terça-feira 4, agosto 2015

  FHC tem agropecuária dentro de Osasco, cidade com área rural zero No Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, na Receita Federal, a empresa tem como atividade principal o cultivo de cana-de-açúcar. As atividades secundárias são a criação de bovinos para corte e cultivo de outras plantas de lavoura. O curioso é que a empresa está sediada na cidade de  Osasco, na Grande São Paulo, ou seja, não é uma área rural. E o mais curioso ainda é que, quando se faz uma busca no Google Maps, a imagem que  identifica o endereço  é uma residência  simples. Seria uma empresa de fachada?Nenhum dos quatro sócios mora em Osasco. O ex-presidente reside em São Paulo, uma filha reside em Brasília, outra no Rio de Janeiro, assim como seu filho.Antes de ser político, FHC nunca foi ruralista. Formou-se em Sociologia e sempre trabalhou como professor, até ingressar na  política. Continue lendo... Leia mais

Retrospectiva Governo Lula

Arquivos

Amigos & Amigos